♫AMIGOS DO AFRO CORPOREIDADE♫

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Indicando: Música africana na sala de aula - cantando, tocando e dançando nossas raízes negras*


Autor: Lilian Abreu Sodré
Editora: Duna Dueto Editora
Páginas: 80
Gênero: música africana
Preço sem desconto: R$ 36,00*
Sinopse:
A educadora musical, professora e coordenadora de música Lilian Abreu Sodré realizou uma pesquisa primorosa para o Projeto África da escola. O resultado está nesse livro. São doze canções tradicionais de sete países africanos, com sugestões de atividades que envolvem canto, instrumentação, brincadeiras cantadas e dança. Ao trabalhar com este livro em sala de aula, o professor de música, educação artística e Educação Infantil e Ensino Fundamental ensinará aos alunos não só a melodia das canções mas também as letras originais, com a respectiva transliteração, e poderá ampliar o trabalho com informações sobre o ambiente cultural mais amplo em que a experiência musical ocorre. O professor encontrará, ainda, partituras, glossário, orientações sobre como usar instrumentos musicais africanos e indicações de como fazer, junto com os alunos, instrumentos musicais com material reutilizável. O livro traz uma mostra da cultura musical africana e informações para o professor trabalhar.
ISBN: 978-85-87306-31-9

Comprei, Gostei, e por isso estou indicando!

*Homenagem as Quatro Damas Negras da Dramaturgia Nacional!* 30/11 - Renascença Clube*

domingo, 27 de novembro de 2011

*I Jornada África em Letrinhas na UFRJ*

*Lançamento: Literatura e afrodescendência no Brasil: antologia crítica, 4 vol. Editora UFMG - na Biblioteca Nacional 28/11 - 18h - Rio de Janeiro*


*Literatura e afrodescendência no Brasil: antologia crítica, 4 vol. Editora UFMG*

*LANÇAMENTO: 28 de novembro, segunda-feira, 18:00*

*AUDITÓRIO MACHADO DE ASSIS - BIBLIOTECA NACIONAL* Av. Rio Branco, 219 - Centro - Rio de Janeiro*

*(entrada pela Rua México)*

*HOMENAGEM: Abdias Nascimento * * *

*CONVIDADOS ESPECIAIS* * *

*Ana Cruz, Cidinha da Silva, Conceição Evaristo, *

*Cristiane Sobral,* *Cyana Leahy, Domício Proença Filho, Éle Semog, Francisco Maciel,

Joel Rufino dos Santos, Júlio Emílio Braz, Leda Martins, Lia Vieira, Mãe Beata de Yemonjá,

**Martinho da Vila, **Muniz Sodré, Nei Lopes, Paulo Lins, *
*RogérioAndrade Barbosa, **Salgado Maranhão.* * *

sábado, 26 de novembro de 2011

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

*Estudo de Campo em Paty do Alferes e Miguel Pereira: Um pouco mais da história afro-brasileira!!!*

*Chegamos na atual Aldeia Arcozelo, antiga Fazenda Freguesia, de onde fugiram Manuel Congo e seus malungos. Arcozelo pertenceu a Paschoal Carlos Magno, grande artista do teatro, amante das artes em geral. Nesta Aldeia Carlos Magno fez este anfiteatro, um teatro super equipado para apresentações diversas, um Coreto, instalações para abrigar os artistas que compareciam aos festivais teatrais realizados por Paschoal Carlos Magno e até uma amarelinha!
*Este é o Olhar de Cobra que assim nos contou a Profª Drª Marlúcia
Ainda há um piano de cauda na Aldeia, onde antes haviam sete.
*Esta é a Amarelinha da Aldeia*
*O coreto em cima, com os banheiros embaixo*
*Entrada do Teatro e fachada lateral*
*Supõe-se que talvez este espaço seja o da antiga senzala aproveitado por Carlos Magno para  fazer hospedagens para os artistas que campareciam aos diversos festivais de artes que ele fazia.
*Antigas construções que as vezes não identificamos o que é. Esta é uma delas!
*Fachada lateral e interna da casa grande da fazenda Freguesia: tudo em ruinas e o poder público nem se mexe!

*Homenagens aos 17 escravos que estavam a frente do levante de 1838
No museu da Cachaça!

domingo, 20 de novembro de 2011

*Estudo de Campo em Vassouras: Salve Zumbi!!! Salve Manuel Congo!!!

*Banner sobre os trabalhos dos alunos da E.M. Washington Manoel  - Desenvolvido pelas professoras Denise Guerra e Fátima Muniz - SEMEC Queimados - apresentado no seminário de História da Baixada em Vassouras.                                         
Eu e a profª Fátima juntas ao lado  do nosso banner à esquerda. Meu trabalho sobre brincadeiras africanas e afro brasileiras; trabalho da professora Fátima historiando Queimados no qual ela sai a campo com os alunos levantando a história local . Salve amiga! Salve E.M. Washington Manoel!
*Com a artista que representou uma Mucama em Vassouras a qual nos contou muitas histórias*
*Na casa de cultura de Vassouras vários quadros representando os orixás mais conhecidos , esculturas , livros sobre a África e africanidades etc
Este é um trabalho de reciclagem do museu para fantasias de carnaval: a  branquinha da esquerda é com sacos plásticos, a saia azul da direita é com jornais e a blusa azul é de croché de sacos plásticos, um show!!!
Estas três fotos são do Museu Casa da Hera que possui móveis, louças, decoração e estrutura  do século XIX e início do século XX  dos antigos donos com algumas doações feitas a casa, tudo muito preservado, encantador!
*Daí agente desceu para uma clareira na mata logo abaixo da casa e estavam lá estas pessoas maravilhosas tocando Jongo de Vassouras e dando uma aula de resistência cultural, valorização do pertencimento e da ancestralidade! Dancei muito, cantei, amei!!! Axé meus irmãos jongueiros!
A E.M. Washington Manoel de Souza esteve representada por estes quatro professores guerreiros e mais duas que não estão nesta foto. Este é um pequeno chafariz ou bica dágua do século XIX. Aqui da esquerda para a direita: Profs Fátima, Heloísio, Denise e Avelino, bebendo na fonte das nossas culturas!!!
Sempre na luta! Está escrito no memorial do Manuel Congo!
*Esta é a cachoeira que brotou após a morte de Manuel Congo. Manuel Congo foi líder de um movimento de fuga importante da fazenda Freguesia (Hoje aldeia Arcozelo em Paty do Alferes) no ano de 1838. Conta a história que o dono desta fazenda era muito violento no tratamento aos seus escravos, então, Manuel Congo e seus malungos passaram dois anos planejando o levante e para isso guardaram sementes, pequenos animais, ferramentas e outros pertences para subir a serra em direção a Vassouras e formar um novo Quilombo. No entanto, eles andavam a pé, abrindo caminhos pela mata e a milícia que foi atrás dos fujões ia de cavalo e encontrando o rastro da mata aberta por eles. A maioria dos escravos foram pegos, e castigados, outros fugiram para os arredores de Paracambi, Japeri, e somente 17 deles foram a julgamento sendo condenados a 50 chibatadas dia. Mas, à Manuel Congo que era líder coube a forca e também proibiram qualquer pessoa de sepultá-lo após a sua morte sendo deixado na forca se decompondo. Se a crueldade teve limites máximos durante a escravidão aí está um dos seus episódios mais cruéis!!! Salve Manuel Congo! Salve Mariana Crioula! Salve todos os irmãos que lutaram e lutam por um mundo melhor!

*Crescendo e aprendendo com as histórias dos nossos irmãos negros! Num país com tantas diferenças vamos cultivar a diversidade e a igualdade de oportunidades! Axé!!!

domingo, 13 de novembro de 2011

*Presidenta Institui o DIA NACIONAL DE ZUMBI E DA CONSCIÊNCIA NEGRA* Axé!!!



"A presidenta da República, Dilma Rousseff, sancionou ontem (10) a Lei 12.519, que institui o Dia Nacional de Zumbi e da Consciência Negra, a ser comemorado, anualmente, no dia 20 de novembro, data do falecimento do líder negro Zumbi dos Palmares. A resolução oficializa uma iniciativa bem-sucedida dos movimentos sociais negros, iniciada em meados dos anos mil novecentos e setenta. Hoje, incorporado ao calendário das escolas e de muitas outras instituições públicas e privadas, o 20 de Novembro destaca-se como um evento cívico vibrante e de grande participação popular. “As justas homenagens que prestamos a Zumbi e seus companheiros e companheiras exprimem o reconhecimento da nação às lutas por liberdade e pela afirmação da dignidade humana de africanos e seus descendentes que remontam ao período colonial”, declara a ministra da Igualdade Racial, Luiza Bairros. O Dia Nacional da Consciência Negra já é celebrado em 20 de Novembro e é dedicado à reflexão sobre a inserção do negro na sociedade brasileira. Apesar do ponto alto da celebração coincidir com o dia da morte de Zumbi dos Palmares, a cada ano as atividades alusivas à data são expandidas ao longo do mês, ampliando os espaços dedicados à reflexão sobre a inserção do negro na sociedade. Um número cada vez mais significativo de entidades da sociedade civil, principalmente o movimento negro, tem se mobilizado em todo país, em torno de atividades relativas à participação da pessoa negra na sociedade em diferentes áreas: trabalho, educação, segurança, saúde, entre outros temas. Neste Ano Internacional dos Afrodescendentes – instituído por Resolução da Organização das Nações Unidas (ONU), o Dia Nacional da Consciência Negra ganha caráter internacional. No Brasil, o ápice desta celebração será o AfroXXI – Encontro Ibero-americano do Ano Internacional dos Afrodecendentes, que acontece em Salvador, de 16 a 19 de novembro. O evento reunirá representações de países sul-americanos, caribenhos, africanos e ibero-americanos, em torno de debates acerca da situação atual desses povos nas regiões participantes."


Fonte:
http://www.seppir.gov.br/noticias/ultimas_noticias/2011/11/presidenta-institui-dia-nacional-de-zumbi-e-da-consciencia-negra

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

*VI Seminário Educação e População Negra - Niterói - R.J. - UFF 15 a 18/11 *



Período de realização 15 a 18 de novembro de 2011.
Local: Faculdade de Educação da UFF
Folder com toda programação em anexo.
Maiores informações acesse: www.uff.br/penesb/novosite

Atenciosamente
Iolanda de Oliveira
Coordenadora do Penesb/UFF

Programa de Educação Sobre o Negro na Sociedade Brasileira
Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense
Rua Professor  Marcos Waldemar Freitas Reis, S/nº Campus Gragoatá bloco D sala 509 CEP: 24210-350, Niterói, RJ 
Tel: (21) 2629-2687, telefax: 2629-2686,  site www.uff.br/penesb  -  E-mail: penesb@vm.uff.br

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

*II JORNADA DE EDUCAÇÃO por uma infância sem racismo promovido pelo UNICEF entre outros - 04, 05 e 06/11/2011 - em Nova Iguacú - RJ*

*Este é o altar da oficina do G.T. Corporeidade que ministrei junto com as professoras Kiusam Oliveira e Mônica Miguel.  No altar estão memórias brincantes, livros indicativos de onde pesquisar, brincadeiras africanas como o AIÚ, os Eggs que uso para algumas brincadeiras, a peteca representando os curumins indígenas entre outras coisas.

*Crianças de uma escola de Nova Iguaçú com o projeto de percussão em latas, lindos!!!
*Meninas do colégio AIACOM arrasaram com a coreografia sobre o racismo! Parabéns!
*Iniciando os trabalhos: profºAugusto Werneck (PUC e procurador de NI) , profª Wânia Santana (consultora da Petrobras para questões da diversidade), Srº Jacques Schwarzstein (UNICEF).
*Na chegada da Jornada uma linda pirâmide africana*
*Profª Kiusam e Mônica Miguel estimulando a corporeidade da turma no primeiro dia da nossa oficina.
*Todas as atenções para a palavra que move "Corporeidade"! ao fundo de camisa azul, Srº Jacques representante do UNICEF no Rio de Janeiro; aqui à direita de camisa branca Israel de Oliveira que deixou a seguinte frase sobre o trabalho de corporeidade do segundo dia de oficina:  
“O lugar do preconceito não tem que existir, ele tem que ser desconstruído.” (Israel de Oliveira, participante do G.T. Corporeidade)
*ProfªKiusam mostrando a corporeidade na capoeira e os participantes da oficina interagindo lindamente!
*Profª Monica Miguel à esquerda, profª Kiusam Oliveira no centro, e  Denise Guerra à direita,  foram as três dinamizadoras do Grupo de Trabalho Corporeidade
*Dançando o Cacau da Bahia!
*Senuá - música infantil de Gana ensinada pelo profº Drº Kofi Gbongolo (Gana).


*Obwisana - música infantil de Gana (domínio público), com participação especial da pequena e linda Rebeca!


*Adjeiê, Adjôiô brincadeira de Gana. 




*Só feras palestrando: Nilma Lino Gomes CNE, Amaury Mendes, Sr. Jacks representante do UNICEF Rio de Janeiro e outras autoridades...
No último dia, discutindo a apresentação que faremos em seguida.
*Ensaiando!
*A turma de guerreiros nagôs que ficaram para o final da jornada e da oficina junto com a profª Azoilda! 
*Apresentando em slide um resumo da nossa oficina e as conclusões do G.T Corporeidade: 
Conclusão do Grupo...

n      À proposta deixada pela profª Azoilda: O que precisamos saber para fomentar uma prática afirmativa nas escolas?
n      Compartilhar e vivenciar muitos saberes!
n      Desconstruir preconceitos, valorizar a igualdade!
n      Reaprender com o outro, mudando os sentidos depreciativos!
n      Sentir, pensar, agir, interagir com o presente divino que é a Corporeidade em sua totalidade!  
*O canto dos Índios Kraós, eu aqui na ponta regendo este coro lindo!

*Os Guerreiros Nagôs jogavam caxangá, mas, os escravos de jó vieram depois para jogar e mudaram tudo conforme a vontade do colonizador...

*Salamaleico - desejo de paz para a casa, escola, empresa, espaço onde vc estiver
*Aqui explicando as atividades com o amigo César Marques a direita, um Griôt maravilhoso! e a profª Azoilda, mais a direita, a escolha da música Salamaleico foi em homenagem a ela pois, ela adora esta música!
*Salamaleico desejo de paz para o seu semelhante...

*Salamaleico desejo de paz para si mesmo!


*Salamaleico no abraço coletivo o desejo de paz para todo o mundo!
Considerações finais...
“Nos quilombos, nas aldeias, ou nas escolas, lugares feitos para agregar pessoas, conhecimentos, cumplicidades, interesses mútuos e resistências culturais, sempre houve e sempre haverá uma boa causa para fazer valer nossas essências humanas. Que a educação no Brasil possa ser plural,voltada para a diversidade e contra toda forma de discriminação. Que nós possamos nos comprometer com a verdade, a justiça, a honestidade, e com o respeito as nossas Heranças Ancestrais.”
                        (Denise Guerra)

Agradecimentos...
n      À UNICEF, Se essa rua fosse minha, A cor da cultura, TV escola, Município de Nova Iguaçú, profª Azoilda, profº César Marques, demais organizadores, colaboradores e a todos e todas que participaram do G.T. Corporeidade!
n      Finalizando... Vejam alguns momentos do G.T. Corporeidade...

A Esperança é o pilar do mundo
(provérbio africano)
 FIM

*Atenção participantes do GT Corporeidade, enviei email com o material escrito e 5 deles voltaram. Por favor, quem não recebeu meu email reenviem seus emails para eu mandar novamente o texto que foi pedido. Abçs!

♫ESCOLA DE MÚSICA PENTAGRAMA♫ Direção Mapinha * Músico-Professor♫

♫ESCOLA DE MÚSICA PENTAGRAMA♫ Direção Mapinha * Músico-Professor♫
♫VIOLÃO * CAVAQUINHO * GUITARRA * BAIXO * FLAUTA * SAXOFONE * TROMPETE * TROMBONE * CLARINETE * GAITA * PIANO * TECLADO * CANTO * BATERIA * PERCUSSÃO GERAL♫ RUA IGARATÁ, Nº566 - MARECHAL HERMES - Rio de Janeiro* TEL(S):3456-1510/8133-3559* www.empentagrama.kit.net

*Registrado no Creative Commons*

Licença Creative Commons
Afro-Corporeidade e Africanidades de Denise Guerra dos Santos é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Unported.
Based on a work at afrocorporeidade.blogspot.com.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://afrocorporeidade.blogspot.com.

*FRUTOS DA DIÁSPORA AFRICANA*

*ACESSE http://www.africaeafricanidades.com.br*

*ACESSE  http://www.africaeafricanidades.com.br*

*"Capoeira é de Todos e de Deus. Mundo e gentes têm mandinga, Corpo tem Poesia, Capoeira tem Axé"*

*"Capoeira é de Todos e de Deus. Mundo e gentes têm mandinga, Corpo tem Poesia, Capoeira tem Axé"*
*Frase do Livro "Feijoada no Paraíso" Besouro*
Related Posts with Thumbnails

♫SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS♫

  • *CASCUDO, Luís da Câmara. Dicionário do Folclore Brasileiro. 6ª edição. Belo Horizonte: Itatiaia, 1988.
  • *COSTA, Clarice Moura. O Despertar para o outro: Musicoterapia. São Paulo: Summus Editorial, 1989.
  • * FREGTMAN, Carlos Daniel. Corpo, Música e Terapia. São Paulo: Editora Cultrix Ltda,1989.
  • *EVARISTO, Conceição. Ponciá Vicêncio. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2003.
  • * FREYRE, Gilberto. Casa grande e Senzala. 50ª edição. São Paulo: Global Editora, 2005.
  • *HOBSBAWN, Eric J. História Social do Jazz. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990.
  • *LOPES, Nei. Bantos, Malês e Identidade Negra. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.
  • *_________. Dicionário Escolar Afro-Brasileiro. São Paulo: Selo Negro, 2006.
  • *_________. Enciclopédia Brasileira da Diáspora Africana. São Paulo: Selo Negro, 2004.
  • *_________. O Negro no Rio de Janeiro e sua Tradição Musical: Partido Alto, Calango, Chula e outras Cantorias. Rio de Janeiro: Pallas, 1992.
  • PEREIRA, José Maria Nunes. África um Novo Olhar. Rio de Janeiro: CEAP, 2006.
  • *RAMOS, Arthur. O Folclore Negro do Brasil. São Paulo: Martins Fontes, 2007.
  • *ROCHA, Rosa M. de Carvalho. Almanaque Pedagógico Afro-Brasileiro: Uma proposta de intervenção pedagógica na superação do racismo no cotidiano escolar. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2006.
  • *___________. Educação das Relações Étnico-Raciais: Pensando referenciais para a organização da prática pedagógica. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2007.
  • *ROSA, Sônia. CAPOEIRA(série lembranças africanas). Rio de Janeiro: Pallas, 2004.
  • *__________. JONGO(série lembranças africanas). Rio de Janeiro: Pallas, 2004.
  • *___________. MARACATU(série lembranças africanas). Rio de Janeiro: Pallas, 2004.
  • *SANTOS, Inaicyra Falcão. Corpo e Ancestralidade: Uma proposta pluricultural de dança-arte-educação. São Paulo: Terceira Margem, 2006.
  • *SODRÉ, Muniz. Samba o Dono do Corpo. Rio de Janeiro: Mauad, 1998.
  • TINHORÃO, José Ramos. Música Popular Brasileira de Índios, Negros e Mestiços.RJ: Vozes, 1975.
  • _________ Os sons dos negros no Brasil. São Paulo: Art Editora, 1988.