♫AMIGOS DO AFRO CORPOREIDADE♫

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

*DIA NACIONAL DO SAMBA COMEMORADO NO PAGODE NO TREM - RIO DE JANEIRO*

SALVE O DIA NACIONAL DO SAMBA,  NOSSA CULTURA, NOSSO CARTÃO DE VISITA!!!

Trem e música: componentes tradicionais das comunidades negras nas Américas. Confirmando essa tradição, no início do século XX, e fugindo da perseguição imposta pela elite às práticas simbólicas negras, Paulo da Portela e seus companheiros de escola reuniam-se no trem (que foi transformado em "sede social"), na volta do trabalho, cantando e tocando SAMBA.
Bem mais tarde, em 1991, Marquinhos de Oswaldo Cruz (cantor e compositor portelense) vai também utilizar o trem como um espaço para reunião de sambistas. Também fugindo da repressão às vozes e ritmos negros, o projeto “TREM DO SAMBA” refaz nos vagões a rota da diáspora dos descendentes de escravos expulsos do centro da cidade. Buscavam mostrar à cidade, a riqueza musical que era produzida no subúrbio e, em especial, no desconhecido bairro de Oswaldo Cruz.
Toda essa luta foi acompanhada de descrédito de muitos moradores que consideravam essas questões menos importantes . Para muitos, achavam que aquela idéia era uma posição alienada, que só falava de samba. Não entendiam que uma comunidade se mantém através da sua memória e que a memória do bairro de Oswaldo Cruz sempre esteve ligada a música tradicional.
Um vagão de trem continuou a ser utilizado ainda em 1992. No entanto, foi em 1996 que o "Pagode do Trem" passou a comemorar o Dia Nacional do Samba. Assim, com o projeto TREM DO SAMBA  inventasse uma forma original de celebrar o dia 02 de dezembro, relembrando a trajetória do povo negro que com a reforma Pereira Passos, foi expulso dos lugares nobres da cidade para os subúrbios e morros.
Nestes 12 anos de sucesso do “TREM DO SAMBA”, já passaram pelos palcos montado na gare da Central do Brasil e no Bairro de Oswaldo Cruz cerca 5800 artistas que se emocionam ao cantar o genuíno samba brasileiro para uma multidão de 55.000 pessoas a cada edição.
Nas três últimos anos do projeto o público presente ultrapassou a marca de 210 mil pessoas, que se divertiam nas ruas do barro de Oswaldo Cruz, sinônimo do bom samba. O que mais orgulha os organizadores é que nestes 11 anos não foi registrado sequer um acontecimento que colocasse a segurança do público  em risco. Em todas as suas etapas o que mais imperou foi  harmonia e a boa música aliada a alegria e irreverência do povo brasileiro.
A cada ano o “TREM DO SAMBA” tem recebido um número impressionante de turistas estrangeiros e de outras cidade brasileiras. No dia 02 de dezembro, dia nacional do Samba, o muro que separa social e culturalmente a Zona norte da Zona Sul do Rio, é quebrado com a força da cultura  musical e da cordialidade que são produzidas no subúrbio carioca e, em especial, no Bairro de Oswaldo Cruz.
Acreditamos então, que em sua 13º edição, o Trem do Samba conseguirá atingir seus objetivos de difundir o samba que é produzido nos subúrbios cariocas.

PROGRAMAÇÃO:
2 de dezembro
Shows na Central do Brasil a partir das 19h.
Atrações: Velha Guarda da Portela e do Império Serrano, Jongo da Serrinha, Mauro Diniz, Serginho Procópio e Renatinho Partideiro.

4 de dezembro
Shows na Central do Brasil a partir das 11h.
Atrações: Bateria do Mestre Faísca, Wilson Moreira, Nelson Sargento, Velhas Guardas da Portela, Império Serrano, Mangueira, Salgueiro e Vila Isabel.

Shows em Oswaldo Cruz a partir das 14h.

Viagens de trens com saídas a partir das 13h30.
Troca de bilhetes por 1 kg de alimento não perecível ou compra do bilhete regular

Todos os eventos são gratuitos.

4 comentários:

Guará Matos disse...

Oba, dá pra chegar juntinho!
Bjs.

lucidreira disse...

Esse é o dia de cumprimentar o nosso Samba, e todas as manifestações são válidas.
Aqui berço do Samba no Brasil, tem eventos acontecendo na cidade todo o dia até a madruga. E quem quiser participar a coisa e 0800 em todo o centro histórico do Pelourinho Salvador Bahia.
Abraço

Denise Guerra disse...

Oi Guará, nesse trem sempre cabe mais um! vamos lá! Bjs!

Denise Guerra disse...

Oi Lú, aqui no Rio também é assim, tem samba o ano todo em vários lugares todos os dias. O carioca vive do samba, não é atoa que temos várias escolas de samba e diversos títulos das nossas escolas de samba. Bjs!

♫ESCOLA DE MÚSICA PENTAGRAMA♫ Direção Mapinha * Músico-Professor♫

♫ESCOLA DE MÚSICA PENTAGRAMA♫ Direção Mapinha * Músico-Professor♫
♫VIOLÃO * CAVAQUINHO * GUITARRA * BAIXO * FLAUTA * SAXOFONE * TROMPETE * TROMBONE * CLARINETE * GAITA * PIANO * TECLADO * CANTO * BATERIA * PERCUSSÃO GERAL♫ RUA IGARATÁ, Nº566 - MARECHAL HERMES - Rio de Janeiro* TEL(S):3456-1510/8133-3559* www.empentagrama.kit.net

*Registrado no Creative Commons*

Licença Creative Commons
Afro-Corporeidade e Africanidades de Denise Guerra dos Santos é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Unported.
Based on a work at afrocorporeidade.blogspot.com.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://afrocorporeidade.blogspot.com.

*FRUTOS DA DIÁSPORA AFRICANA*

*ACESSE http://www.africaeafricanidades.com.br*

*ACESSE  http://www.africaeafricanidades.com.br*

*"Capoeira é de Todos e de Deus. Mundo e gentes têm mandinga, Corpo tem Poesia, Capoeira tem Axé"*

*"Capoeira é de Todos e de Deus. Mundo e gentes têm mandinga, Corpo tem Poesia, Capoeira tem Axé"*
*Frase do Livro "Feijoada no Paraíso" Besouro*
Related Posts with Thumbnails

♫SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS♫

  • *CASCUDO, Luís da Câmara. Dicionário do Folclore Brasileiro. 6ª edição. Belo Horizonte: Itatiaia, 1988.
  • *COSTA, Clarice Moura. O Despertar para o outro: Musicoterapia. São Paulo: Summus Editorial, 1989.
  • * FREGTMAN, Carlos Daniel. Corpo, Música e Terapia. São Paulo: Editora Cultrix Ltda,1989.
  • *EVARISTO, Conceição. Ponciá Vicêncio. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2003.
  • * FREYRE, Gilberto. Casa grande e Senzala. 50ª edição. São Paulo: Global Editora, 2005.
  • *HOBSBAWN, Eric J. História Social do Jazz. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990.
  • *LOPES, Nei. Bantos, Malês e Identidade Negra. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.
  • *_________. Dicionário Escolar Afro-Brasileiro. São Paulo: Selo Negro, 2006.
  • *_________. Enciclopédia Brasileira da Diáspora Africana. São Paulo: Selo Negro, 2004.
  • *_________. O Negro no Rio de Janeiro e sua Tradição Musical: Partido Alto, Calango, Chula e outras Cantorias. Rio de Janeiro: Pallas, 1992.
  • PEREIRA, José Maria Nunes. África um Novo Olhar. Rio de Janeiro: CEAP, 2006.
  • *RAMOS, Arthur. O Folclore Negro do Brasil. São Paulo: Martins Fontes, 2007.
  • *ROCHA, Rosa M. de Carvalho. Almanaque Pedagógico Afro-Brasileiro: Uma proposta de intervenção pedagógica na superação do racismo no cotidiano escolar. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2006.
  • *___________. Educação das Relações Étnico-Raciais: Pensando referenciais para a organização da prática pedagógica. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2007.
  • *ROSA, Sônia. CAPOEIRA(série lembranças africanas). Rio de Janeiro: Pallas, 2004.
  • *__________. JONGO(série lembranças africanas). Rio de Janeiro: Pallas, 2004.
  • *___________. MARACATU(série lembranças africanas). Rio de Janeiro: Pallas, 2004.
  • *SANTOS, Inaicyra Falcão. Corpo e Ancestralidade: Uma proposta pluricultural de dança-arte-educação. São Paulo: Terceira Margem, 2006.
  • *SODRÉ, Muniz. Samba o Dono do Corpo. Rio de Janeiro: Mauad, 1998.
  • TINHORÃO, José Ramos. Música Popular Brasileira de Índios, Negros e Mestiços.RJ: Vozes, 1975.
  • _________ Os sons dos negros no Brasil. São Paulo: Art Editora, 1988.